LESER – Atuando há 2 Séculos pela Segurança

A fabricante alemã de válvulas de segurança, que está ativa no Brasil desde 1998, celebra seu 200º aniversário

 

Por meio de gestão familiar há cinco gerações, a LESER (www.leser.com), que conta com 950 funcionários e 130.000 válvulas de segurança produzidas por ano, é a maior fabricante na Europa e uma das principais empresas do setor mundial. A multinacional alemã, fundanda em 1818, desenvolve válvulas para todas as aplicações industriais, como Petróleo e Gás, Construção Naval, Farmacêutico, Alimentício, GNL/GLP, Químico, entre outros.

No Brasil, a LESER começou suas ativadas em 1978. Com resultados muito positivos, a matriz alemã percebeu a grande demanda no mercado brasileiro e assim inaugurou, em 1998, a LESER BRASIL com uma fábrica no Rio de Janeiro, sendo a primeira subsidiária internacional da empresa. A LESER BRASIL atua principalmente no segmento de óleo e gás, e nos últimos quatro anos, cerca de 10.000 válvulas de segurança foram fornecidas para a utilização em plataformas e refinarias de petróleo da PETROBRAS, sendo um dos principais clientes.

Em entrevista com o Sr. Joachim Fritz - Sócio-Diretor da LESER BRASIL no Rio de Janeiro

 

"Como resultado de nossos vinte anos de trabalho, conseguimos tornar as instalações industriais no País mais seguras."

200 anos de experiência comprovam a excelência e são a prova de uma história de sucesso. Quais são as perspectivas para os próximos anos? Quais são os principais tópicos e novidades para esta nova fase?

A segurança das instalações industriais, bem como a dos nossos clientes, continuará a ser assunto de grande importância. Assim, a LESER está preparada para atender a esses requisitos no futuro também. Vamos falar dos últimos 200 anos. Em 1818, na época da Revolução Industrial, os latões eram muito demandados. Atendendo aquela necessidade, a LESER começou a produzir latão. A partir de 1970, a LESER se especializou em válvulas de segurança. Ao contrário de nossos concorrentes, nos concentramos em apenas um produto - válvulas de segurança. Em 2000, a LESER já era conhecida em toda a Europa. Grandes empresas da indústria química, como a BAYER e a BASF, estavam entre os nossos clientes. Desde 2000, a LESER vem se expandindo. Novas linhas de produtos foram introduzidas e subsidiárias estrangeiras foram abertas. Deste grupo de subsidiárias, a LESER BRASIL foi a primeira. Desde 2000, a LESER deu início à expansão. Nos últimos 12 anos, nós quadruplicamos o volume de negócios. Hoje, a LESER é o terceiro maior fornecedor de válvulas de segurança. Sem dúvida, é a empresa que mais cresce no segmento, e nossa perspectiva para os próximos anos é tornar-se a número um no mercado. É um objetivo desafiador, mas estamos no caminho certo.

"Sem dúvida, a LESER é a empresa que mais cresce nesse segmento e nossa meta para os próximos anos é tornar-se a número um no mercado. É um objetivo desafiador, mas estamos no caminho certo."

 

Indústria 4.0 é um tópico muito atual - também para a LESER? Como a empresa está se preparando para essa quarta revolução industrial?

A indústria 4.0 é um tópico muito importante para a LESER. Embora uma válvula de segurança seja um produto bastante mecânico e requeira um serviço muito especial, a digitalização traz vários benefícios. Uma de nossas inovações digitais permite o rastreamento de todos os componentes e processos na fabricação de nossa válvula de segurança como Web Service, desde o lote de material de barra ou fundidos, até a instalação de uma planta industrial. Assim, garantimos um rastreamento completo. Existem milhares de combinações possíveis para uma válvula de segurança, portanto, nossos clientes têm um controle de rastreamento preciso sobre os materiais utilizados e o uso de componentes na respectiva planta industrial. Isso facilita o pedido de peças de reposição ou de novos componentes. Juntamente com os nossos clientes, adaptamos os processos da LESER à era digital e introduzimos recentemente a nossa "placa de identificação" digital, única no mercado. Uma placa de identificação está presente em todas as nossas válvulas de segurança e mostra entre outras, as principais características da válvula.

Pouco antes do nosso 200º aniversário, nossa matriz investiu na modernização de fábricas, não apenas no Brasil, mas também em nosso principal local de produção perto de Hamburgo, que hoje é o maior e mais moderno do mundo. Em comparação com os nossos concorrentes, a LESER possui uma produção central maior e mais moderna. A produção interna passa por todas as fases de produção - não há terceirização. Nossa fábrica está tecnicamente equipada de forma que possamos realizar os testes de aceitação de nossas válvulas com qualquer especificação do cliente. Exemplo disto, é o atendimento dos padrões da PETROBRAS, que estão entre as especificações mais exigentes do mercado.

Quais foram os motivos e expectativas que fizeram com que a LESER entrasse no mercado brasileiro em 1998? As expectativas da LESER foram alcançadas?

Em 1990, a LESER recebeu a primeira certificação ASME (Sociedade Americana de Engenheiros Mecânicos) e, assim, pôde operar no mercado de petróleo e gás em todo o mundo. Na verdade, nossos produtos estão no mercado brasileiro há 40 anos, quase o dobro do tempo que produzimos localmente no Rio, mas naquela época através de um licenciado. Durante os primeiros vinte anos, de 1978 a 1998, a matriz alemã percebeu que nossos produtos eram muito bem recebidos no mercado brasileiro. Devido a essa experiência positiva, Martin Leser decidiu abrir uma filial no Brasil há 20 anos. O conceito da LESER era estabelecer qualidade e design alemão no mercado brasileiro e gerar valor agregado local. Hoje, a LESER BRASIL tem quarenta funcionários na fábrica do Rio de Janeiro e vinte representantes distribuindo as válvulas da LESER em outros estados brasileiros.

Além disso, nossa intenção era compartilhar nossos conhecimentos, que alcançamos por meio de treinamento técnico e seminários para clientes e colaboradores, bem como trabalhos normativos com as autoridades brasileiras. Como resultado de nossos vinte anos de trabalho, conseguimos tornar as instalações industriais no País mais seguras. Desta forma, nossas expectativas foram cumpridas. Hoje, a LESER é conhecida por seus produtos de alta qualidade e excelente assessoria técnica, que também é uma proposta de venda exclusiva da LESER para outros provedores. Mais de 50% de todas as válvulas de segurança que são usados ​​na produção de petróleo na área do pré-sal brasileiro, uma das reservas de petróleo mais promissoras em todo o mundo, vêm da LESER. Nossos produtos também são líderes de mercado em outros setores no Brasil. Em comparação com nossos concorrentes americanos, que tiveram que fechar fábricas no Brasil, nossa matriz controladora continuou investindo no mercado brasileiro, apesar de sua situação econômica e política crítica.

 

 "Mais de 50% de todas as válvulas de segurança usadas na produção de petróleo na área brasileira do Pré-Sal, uma das reservas de petróleo mais promissoras do mundo, vêm da LESER."

 

Como a parceria com a AHK Rio afetou a história de sucesso da LESER?

Desde 2007, a LESER é associada à AHK Rio e sou membro do conselho há quatro anos. Esta parceria nos proporcionou muitos contatos comerciais importantes, bem como acesso a outras empresas e tomadores de decisão na economia e na política brasileira. Graças a esta rede de contatos da AHK Rio, trabalhamos em estreita colaboração com autoridades e instituições brasileiras.

Que potencial o mercado brasileiro oferece em sua opinião?

Esperamos um retorno do investimento no segmento do petróleo, uma vez que os recentes leilões da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) conseguiram conceder licenças de exploração com êxito. Empresas brasileiras e estrangeiras, incluindo companhias petrolíferas alemãs como a Wintershall, adquiriram direitos de exploração e planejam grandes investimentos nos próximos anos. Além disso, a LESER está negociando com a PETROBRAS e outros investidores a conclusão das refinarias, a ser realizada em conjunto com parceiros estrangeiros. Acreditamos que o aumento do investimento continuará também nos segmentos de açúcar e álcool, tanto em termos de expansão de plantas existentes quanto de construção de novas. Acreditamos que a economia brasileira se recuperará nos próximos anos.

O que você recomenda para empresas alemãs que querem investir no mercado brasileiro?

As empresas não devem subestimar os obstáculos burocráticos no Brasil de forma alguma. As regulamentações tributárias brasileiras são muito difíceis para um empreendedor alemão compreender. É um processo que requer paciência e planejamento de longo prazo. Para ganhar uma posição no mercado brasileiro, altos investimentos precisam ser feitos.

Também aprendemos que as redes de contatos locais precisam ser usadas para vender produtos com sucesso no Brasil. Em nossa opinião, deve-se utilizar representantes de vendas estabelecidos localmente para garantir o sucesso. Por outro lado, o alto investimento inicial e outras barreiras à entrada no mercado, uma vez superadas, servem como proteção contra a concorrência barata, por exemplo, da China, já que aqueles muitas vezes não atendem aos requisitos técnicos e burocráticos do Brasil. Assim, os desafios podem ser transformados em oportunidades.

Stefanie Börner Falcão – Gerente de Comunicação & Marketing da AHK Rio em encontro com Joachim Fritz – Sócio-Administrador da subsidiária LESER BRASIL durante a visitação à fábrica no Rio de Janeiro em 2018.