A Ascensão da Energia Eólica Offshore

A energia eólica offshore é uma das fontes renováveis mais eficientes e está sob alta demanda no mercado mundial, uma vez que ajuda na redução das emissões de CO2 (gás carbônico) e substitui os combustíveis fósseis. A instalação da energia eólica marítima permite o uso dos ventos fortes e consistentes vindos do mar. Desse modo, o índice crescente de investimentos privados e governamentais e a preocupação com o meio ambiente, fazem com que esse setor de energia seja promissor no crescimento global do mercado.  

Em 2017, a Alemanha foi considerada o segundo país com melhor capacidade para o mercado eólico offshore. De acordo com o site Startista, o país contribuiu com 5,4 gigawatts (GW) para o mercado global de mais de 17 GW. Enquanto no ano de 2018, cresceu (0,97 GW) totalizando 6,4 GW, com 8% da demanda de energia do país. Segundo o relatório da Bloomberg, a Alemanha terá a terceira maior capacidade eólica offshore até 2030.

A ascensão da demanda por energia eólica offshore, beneficia, além do meio-ambiente, os participantes desse setor no mercado global, devido à possibilidade de oportunidades lucrativas. A Allied Market Research, empresa de consultoria e pesquisa de mercado, publicou em seu relatório uma projeção do mercado eólico offshore para 2023 avaliado em US $11.334 mil, crescendo a uma taxa CAGR de 19,4% de 2017 a 2023. 

Em outro relatório recentemente publicado, a Wood Mackenzie afirma que a demanda por essa energia renovável terá um aumento de quase seis vezes em 10 anos, com projetos implantados comercialmente em 18 países até 2027. Sendo que até o final de 2017, o Reino Unido e a Alemanha eram os responsáveis por 68% da capacidade mundial do setor.

No Brasil, a implementação do mercado de energia eólica offshore ainda está no início, porém a Comissão Executiva para a Promoção e a Regulamentação do Offshore Eólico Brasileiro está trabalhando na elaboração de um estudo que visa a criação de um marco regulatório para a exploração desse setor. A publicação do documento, preparado pela comissão do Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia, está prevista para o fim do primeiro semestre de 2019. 

Criação de leilões para parques eólicos e solares offshore está na pauta da Câmara dos Deputados - na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS), onde aguarda designação de relator, buscando estimular a implantação de usinas eólicas na faixa de águas a 12 milhas (ou a 22 quilômetros) da costa, e na zona econômica exclusiva, a 200 milhas (ou 370 quilômetros) da costa, mas também permite a implantação de instalações em rios e lagos.

Estudos técnicos já têm sido feitos no Brasil para verificar sua potencialidade energética. Apesar de esbarrar nos altos custos de instalação das usinas elétricas e na falta de regulação específica, com o mercado eólico offshore, o país tem a possibilidade de atingir valores próximos a R$ 195,00 por MW/h em 2027, equiparando a outras fontes de energia.

A fim de estimular ainda mais o desenvolvimento desse setor e possibilitar o enriquecimento de experiências dos profissionais da área, a AHK Rio promove a Missão Técnica Eólica Offshore. Com o objetivo de proporcionar um aprofundamento e atualização nos aspectos regulatórios (técnico e ambiental) sobre o setor eólico offshore, a missão possibilitará a geração de contatos nas principais empresas e instituições de pesquisa e agências regulatórias do setor eólico offshore. 

Acontecerá nos dias 19 a 24 de maio, em duas cidades alemãs, Hamburgo e Bremerhaven, com uma programação exclusiva que inclui visitas técnicas às grandes empresas alemãs e projetos do setor. Será uma excelente oportunidade de networking e de agregar conhecimentos sobre as novas tecnologias do mercado e as últimas tendências. 

Para mais informações acesse o informativo e a programação completa.

Fontes: OPetroleo